Programa: Enfrentamento às Drogras Lícitas e Ilícitas
[dropcap]A[/dropcap]mbas não são muito diferentes em termos de dependência química, variando apenas o nível de gravidade. O Mundo já evoluiu bastante em relação ao uso do cigarro. É inadmissível que ainda existam propagandas fomentando o uso de bebidas alcoólicas. Elas devem ser completamente proibidas. Ao invés disso o Estado deve realizar constantemente campanhas educativas prevenindo principalmente os mais jovens sobre os riscos do uso de bebidas alcoólicas.

A carga tributária das bebidas deve ser muito alta e nos rótulos deve constar alertas semelhantes ao que já ocorre nos maços de cigarros. Com relação às drogas ilícitas (maconha, cocaína, crack e outras) a solução jamais será torná-las lícitas, pois são entorpecentes que levam a sérias alterações psíquicas, dependência química e morte. O caminho será sempre a prevenção através da educação em todos os setores da atividade humana, começando pela família, passando pela escola e chegando em todos os meios de comunicação (rádio, jornal, revista, TV, Internet, etc).

O Estado deve dar atenção especial aos jovens e adolescentes na faixa sócio-emocional de risco e fortalecer as políticas de combate ao narcotráfico. Em quase todas as grandes cidades brasileiras pesquisas de opinião apontam que os dois maiores  problemas enfrentados pelas famílias de todas as classes sociais são as drogas e a violência urbana. É sempre bom lembrar que só existe traficante de droga porque existem pessoas interessadas em obter drogas.

Trata-se de um  complexo círculo vicioso  que só pode ser vencido através de um conjunto de ações preventivas exercidas pelos governos e por toda a sociedade usando a força da PAZ, uma vez que as ações violentas já provaram que são ineficazes e só fazem agravar o problema.

[raw] [clear] [/raw]